Domingo, 18 de Março de 2007
260 km/h... é perfeitamente normal!!!

Condução
Guiar a 260 km/hora pode não ser perigoso, decide tribunal espanhol
2007-03-16, 11h45

Lisboa, 16 Mar (Lusa) - A condução a 260 quilómetros/hora não é necessariamente perigosa, de acordo com uma decisão de um tribunal espanhol que foi hoje elogiada pelo presidente da Associação Portuguesa de Escolas de Condução.
De acordo com a imprensa espanhola de hoje, o tribunal da província espanhola de Burgos considerou que um condutor que circulava a 260 quilómetros/hora não cometeu delito porque "a visibilidade era boa e a circulação reduzida".

Segundo o tribunal, não houve "qualquer circunstância perigosa concreta".

Em primeira instância, o automobilista tinha sido condenado a seis meses de prisão e a dois anos de inibição de conduzir.

O presidente da Associação Portuguesa de Escolas de Condução, (APEC), Alcino Cruz, aplaude esta decisão por considerar que o limite de velocidade não deve ser encarado de forma estanque.

"A velocidade não é a principal causa da sinistralidade rodoviária; não há qualquer estudo que o prove", comentou à agência Lusa Alcino Cruz, que contesta os limites impostos pelo Código da Estrada.

Alcino Cruz foi apanhado a conduzir a mais de 200 quilómetros por hora na auto-estrada que liga Lisboa a Elvas (A6) em Setembro de 2002, mas acabou por não ter qualquer tipo de sanção, na sequência de ter recorrido da decisão da Direcção-Geral de Viação e da primeira instância do tribunal de Évora.

Para o presidente da APEC, as "autoridades portuguesas não estudam nem sabem estudar os acidentes" e atribuem "erradamente a maioria da sinistralidade ao excesso de velocidade".

"A baixa velocidade na auto-estrada pode provocar acidentes de viação, como já comprovou um estudo efectuado em Itália. Além disto, a alta velocidade não diminui os reflexos", defendeu.

Apesar de concordar com a necessidade de impor limites à circulação, Alcino Cruz discorda que as velocidades sejam estabelecidas independentemente das especificidades das vias.

"Acho que uma auto-estrada inteira não pode ter os mesmos limites.

Nalguns troços poderia não haver limites máximos de velocidade, noutros poderia ser de 180 quilómetros/hora e em caso de curvas esse limite deveria ser reduzido", exemplificou.

No caso dos Itinerários Principais (IP), considera que os 120 seria uma velocidade adequada, nas "zonas onde há rectas e não se põe em perigo pessoas ou bens".

Também os limites estabelecidos para as cidades são contestados pelo responsável das escolas de condução: "pode ser perigoso guiar a 50 quilómetros/hora no Bairro Alto (Lisboa), mas já o mesmo não se aplica à Avenida Lusíada (também na capital). Em Espanha, uma mesma rua pode ter vários limites de velocidade, que é o que faz sentido".

ARP.

Fonte: Agência LUSA

 

 

No comments...

publicado por Nick às 18:18
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Setembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
.posts recentes

. Semana Europeia da Mobili...

. Medidor de pressão dos pn...

. O futuro....

. Petição para alteração do...

. Nissan Motor vs Nissan Co...

. Citroën Urgência

. ICE e o INEM

. 29 maneiras de como poupa...

. Radares de Lisboa

. Salão Internacional do Au...

.arquivos

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Outubro 2006

.tags

. todas as tags

.visitantes
.fale comigo
blogs SAPO
.subscrever feeds